Batman & Robin (1997)

Por Alex The Kid

 

Imagine um filme do Cavaleiro das Trevas seguindo tudo aquilo que não deveria: Luzes de neon, diálogos infantis e, muitas vezes, sem nenhum sentido. Além disso, interpretações estranhas vindas de bons atores e muito Carnaval! Com luzes, plástico e contrastes de cores. Batman & Robin foi o fim. Trata-se do filme que enterrou a franquia, que teve como antecessores: Batman (1989), Batman: O Retorno (1992) e Batman Eternamente (1995).

Batman & Robin Batsuit
George Clooney foi o terceiro ator a assumir o manto do Morcego em menos de 10 anos.

No ano de estreia do filme, 1997, eu já era PHD em Batman e lia quadrinhos diariamente. Obviamente, saí do cinema indignado. Na época de lançamento, eu estava em Cabo Frio – RJ, curtindo as férias escolares do meio do ano e na companhia de muitos amigos, fui assistir o filme no cinema local. Péssima ideia! Além de ser um filme ruim, o cinema era horrível e sequer tinha ar condicionado. Pelo amor de Deus! Estávamos em 1997 e as poltronas da sala não reclinavam! Que desastre! Mas condizia com o que foi assistido.

O início do filme replica seu antecessor (Batman Eternamente 1995) e mostra a dupla dinâmica se arrumando para a patrulha e colocando seus uniformes, que retornam com os polêmicos mamilos (idealizados em Batman Eternamente por Ingrid Ferrin e agora com a ajuda de Robert Turturice). O diretor Joel Schumacher, repetindo o que fez com o Batman de Val Kilmer, considerou de bom tom, dar closes nas bundas e genitálias dos heróis do longa. O que é natural, já que ninguém quer ver Batman em situações detetivescas ou espancando vilões. O que o público quer ver, obviamente, é bunda!

Batman & Robin Batmóvel
Batman e Robin partem para a ação e o Morcego usa um carro conversível que faz inveja em qualquer carnavalesco.

A trama é simples: Batman e Robin (George Clooney e Chris O’Donell) estão felizes trabalhando em Gotham City. Eles têm uniformes que estão na moda, prendem os vilões, moram numa mansão muito bonita e têm uma caverna equipada com amplo material de combate ao crime (muito bem polidos, por sinal). A dupla possui veículos muito doidos, cheios de neon. Inclusive, o principal deles, o Batmóvel, é conversível e tem um giroscópio luminoso no para-choque. Uma verdadeira obra de arte desenhada por Joãosinho Trinta. Não! Estou brincando. Não foi o saudoso carnavalesco que desenhou o Batmóvel e sim Barbara Ling, a mesma que fez o carro de Batman Eternamente. Só que o já incondizente veículo anterior, fora substituído por um carro alegórico, o que remete meu pensamento ao Carnaval.

O desafio do momento é prender o falastrão Sr. Frio (Arnold Schwarzenegger), que adora frases de efeito análogas e tem sérias dificuldades em comunicar-se sem usá-las. Pois bem, o Sr. Frio quando não está treinando o coral de seus asseclas (isso realmente acontece), planeja chantagear Gotham City para conseguir a verba necessária no uso de pesquisas de uma doença chamada Síndrome de Mcgregor. A doença deixou sua esposa em estado gravíssimo e ele a pôs em uma espécie de coma induzido.

Batman & Robin Mr. Freeze
Arnold Schwarzenegger interpreta um vilão caricato.

A armadura do Sr. Frio, utiliza diamantes para se energizar, afinal de contas, dentro de todos os aparelhos que refrigeram, existem diamantes. Pode abrir sua geladeira e ar condicionado com machadadas, que você verá alguns deles. No meio dessa salada, Hera Venenosa (Uma Thurman) quer transformar o mundo numa floresta, tentando cruzar plantas com animais para que nossas amiguinhas verdes possam se defender do ser humano mau. Hera usa feromônios muito loucos para fazer com que os homens se apaixonem perdidamente por ela e, assim, consiga o que quer.

O primeiro encontro entre a dupla dinâmica e o Sr. Frio é icônico. A começar pela entrada de Batman no museu que Frio estava roubando. O Morcegão quebra uma claraboia e diz: “Oi, Frio! Eu sou Batman”! E desliza pela réplica de um dinossauro. Incrível, não? A sequência da luta exige um dote até então desconhecido dos heróis: Patinação Artística! Os Bat-Patins de Gelo são acionados e com muita graça e finesa, Batman e Robin colocam a bandidagem pra correr. Mas o Sr. Frio escapa.

Batman & Robin Bane e Hera Venenosa
Hera Venenosa e Bane.

Enquanto isso, no núcleo dos botânicos, surge o Dr. Jason Woodrue (John Glover). Ele rouba o material utilizado pela Dra. Pamela Isley em suas experiencias para seu projeto Gilgamesh, que consiste em criar super-seres para serem utilizados em guerras. Uma espécie de soro do super-soldado chamado Veneno é utilizada num bandidinho latino.

O irônico é que Woodrue é um personagem de quinta classe da DC Comics, também conhecido como o eco-terrorista Homem-Florônico, ou apenas Floro, nome adotado quando regenerou-se do arco de histórias: Projeto: Milênio (Publicado pela Editora Abril no Brasil em 1989).

Batman & Robin veículos de neve
Os veículos do filme são tão espalhafatosos, que é difícil identificar uma funcionabilidade neles.

Eu gastei um parágrafo pra falar de Jason Woodrue pelo seguinte: No filme, o vilão cria Bane (Jeep Swenson) com o tal do soro Veneno. Você que não lê quadrinhos, não sabe que Bane é simplesmente um dos maiores vilões das histórias do Batman. Foi ele quem partiu a coluna do Cavaleiro das Trevas no arco A Queda do Morcego. Bane é um estrategista, culto e com intelecto privilegiado. No filme, ele é uma espécie de Hulk dos pobres. Desmiolado e que serve como cachorrinho da Hera Venenosa e do Sr. Frio. Uma total falta de respeito com o personagem. Esse roteiro, que é inaceitável para qualquer leitor de quadrinhos, foi escrito por ninguém menos que Akiva Goldsman (ganhador do Oscar por Uma Mente Brilhante – 2001). Obrigado, Akiva!

Mas não foi Akiva o único culpado pela grande piada de mau gosto que Batman & Robin é. O diretor Joel Schumacher tem uma parcela consubstancial, pois a atuação teatral e caricata oferecida pelos atores e, que não funciona, não pode ser atribuída aos mesmos. E não pode porque eles foram orientados e dirigidos para trabalhar dessa forma. O elenco está acima do razoável! A direção foi um problema e, provavelmente, sofreu pressões do estúdio, que, como sempre, visava lucro acima de tudo.

Batman & Robin Batmoça
Nunca, na história das adaptações dos quadrinhos, uma heroína mordeu o lábio de maneira tão competente.

Em mais uma absurda apresentação de personagem, tivemos a Batgirl (Alicia Silverstone). Não sei o que dizer, mas vou tentar: Eu sempre digo que mudanças em adaptações de uma mídia para outra não me incomodam se fizerem bem ao filme. Mas os exageros de Batman & Robin fazem qualquer fã de quadrinhos se aborrecer ao extremo. As origens dos vilões são condizentes com suas versões nos quadrinhos. A adaptação é aceitável nesse sentido. Mas a da Batgirl rompe qualquer barreira do aceitável. A heroína chama-se Barbara Gordon! Filha do Comissário Gordon, que é personagem importantíssimo do cânone do Morcego, mas que foi posto de lado por toda a franquia (pobre Pat Hingle). Pois bem, em Batman & Robin, acharam que seria interessante ignorar o parentesco de Barbara com o comissário e colocar a mesma como sobrinha do Alfred (Michael Gough). Isso é inaceitável! É como se a Marvel Studios resolvesse que o Hulk é irmão gêmeo do Capitão-América!

Pois bem, Barbara quer tirar o “Tio Alfred” da vida de servidão que ele leva na mansão Wayne. Para isso, ela aposta grana e participa de corridas clandestinas de motocicletas. Ela é irada, radicalzona e descolada. Sabe tudo de computadores e morde o beiço como poucas mulheres são capazes de morder!

Batman & Robin Trio
As roupas de inverno da Bat-família.

Dando sequência ao Carnaval de Gotham City, vou criar o top 10 da Vergonha Alheia de Batman & Robin :

  1. As estátuas gigantes que povoam Gotham City. – Existem Várias delas e Batman chega a passar com o Bat-Conversível-Móvel por cima de uma.
  2. Bruce Wayne é carinhoso e agregador. – O herói convida Barbara (não Gordon) para ficar na Mansão Wayne e depois, ela entra para a Bat-Família.
  3. Robin é artista plástico. – Ao quebrar a parede do museu com sua motoca, Robin faz o desenho de seu símbolo.
  4. Desenho animado. – Numa cena de luta, Bane, arremessa adversários e ouve-se um assobio agudo de deslocamento de ar. Como num desenho animado. O que diabos é isso?
  5. Eu te amo. – Bruce Wayne diz a Alfred que o ama. Sem problemas. Ama mesmo. Mas foi ridículo. Eu não precisava ter assistido isso!
  6. Bat-Veículos. – Os veículos do trio-dinâmico são carros alegóricos e eu tenho certeza que já vi o Acadêmicos do Salgueiro usando um deles num Carnaval desses.
  7. Batgirl. – Não precisava! Quiseram chamar a atenção das fãs de Patricinhas de Beverly Hills (Clueless – 1995) e simplesmente criaram um espaço para uma personagem que não deveria estar lá. Total falta de respeito com os fãs de Barbara Gordon.
  8. Bruce Wayne e Julie Madison. – Julie Madison (Elle Mcpherson) é mais um personagem da DC Comics que fora jogada nas telas. Sua presença não faz a menor diferença no filme. Tem uma penca de personagens femininas interessantes e fortes no universo do morcego. Mas não conseguiram dar valor a isso. Praticamente todas foram subaproveitadas.
  9. Me desculpe. – George Clooney até hoje pede desculpas pelo seu Batman e reconhece que o filme é muito ruim.
  10. Não saia de casa sem ele! – Realmente são outros tempos. Batman e Robin participam de um evento beneficente para arrecadar fundos ao Jardim Botânico de Gotham. Havia uma intenção, a dupla dinâmica pretendia usar a exibição dos diamantes das empresas Wayne como isca para atrair e prender o Sr. Frio. Pouco importa o fato de trazer um louco homicida para um local com centenas de inocentes. Batman tem um cartão de crédito vitalício e o utiliza para bancar um encontro pago (vulgo, prostituição) com Hera Venenosa.

Com isso tudo fica fácil entender porque a franquia morreu. E foi tarde! Já tinha apresentado cansaço desde o segundo filme. Uma lição foi aprendida: Com Batman não se brinca. A redenção estava para chegar. O problema é que durou oito anos para assistirmos um Batman digno.

Batman & Robin Cartão de Crédito
O Bat-Cartão de Crédito.
Anúncios

4 comentários em “Batman & Robin (1997)

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s